O INÍCIO DA MISSÃO MUNDIAL E PARTINDO PARA A AMÉRICA


(Paramahansa Yogananda no embarque para a América)

 Paramahansa Yogananda começou a missão de sua vida com a fundação, em 1917, de uma escola do "Saber viver" para meninos, na qual os modernos métodos educacionais eram combinados com treinamento em yoga e nos ideais espirituais. Em uma visita à escola anos depois, Mahatma Gandhi escreveu: "Essa instituição deixou uma profunda impressão em minha mente". (A escola de Ranchi foi vinculada em seguida, à Yogoda Satsanga Society, organização irmã da SRF na India.)

"Educação  adequada  para  a  juventude  era  um  ideal  que  eu  sempre acalentara  em  meu  coração.  Via  claramente  os áridos  resultados  da  instrução comum que visa apenas ao desenvolvimento do corpo e do intelecto. Os  valores  morais  e espirituais, sem cujo apreço nenhum homem pode encontrar a  felicidade, ainda estavam ausentes dos programas acadêmicos. Decidi  fundar  uma  escola  onde  os meninos  pudessem  se  desenvolver  até sua plena estatura de homens.

Organizei os programas para os cursos primário e secundário. Incluíam matérias  agrícolas,  industriais,  comerciais  e clássicas. Adotando  os  ideais educativos dos  ríshis  (cujos ásbrams na  floresta  foram as antigas  cátedras de  cultura,  tanto secular como  religiosa,  para  a  juventude  da  índia), providenciei para que a maior parte das aulas fosse dada ao ar livre.

Aos  estudantes  de  Ranchi  ensina-se,  além  da  meditação  iogue,  um sistema  sem  paralelos  para  o  desenvolvimento  da saúde  e  do  corpo, Yogôda, cujos princípios descobri em 1916. Compreendendo  que  o  corpo  humano  é  semelhante  a uma bateria elétrica,  raciocinei  que  poderia  reabastecê-lo  de  energia  por  intervenção direta da vontade. Como nenhuma ação é possível sem o querer, o homem pode  aproveitar-se  do motor  primordial,  a  vontade,  para  renovar  sua  força sem complicados  aparelhos  ou  exercícios  mecânicos.  Com as simples técnicas Yogôda, qualquer um pode, consciente e instantaneamente,  retirar do  ilimitado suprimento de energia cósmica, nova provisão  de  força  vital (centralizada na medula oblonga ou bulbo raquiano) " (Capítulo 27)

Indo para a América

 

Em 1920, Yogananda foi convidado para participar como representante da Índia no congresso de líderes religiosos que aconteceu em Boston. Antes de viajar, pediu a benção de seu guru que disse: 

"Todas  as  portas  estão  abertas  para  você. É agora ou nunca. Esqueça  que  nasceu  entre  indianos  e não  adote  todos  os  costumes  americanos. Escolha  o melhor  de  ambos  os povos. Seja o que você realmente é, um  filho de Deus. Busque e  incorpore a seu ser as melhores qualidades de todos os seus irmãos, disseminados pela Terra, em diferentes raças. Todos os que  vierem até  você  com  fé, à procura de Deus, serão ajudados. Quando você olhar para eles, a corrente espiritual que emana de seus olhos, penetrará nos cérebros e modificará os hábitos materiais alheios,  fazendo-os mais conscientes de Deus. Seu destino de atrair almas sinceras é muito bom. Aonde quer que vá, até no deserto ou na selva, encontrará amigos."

Um relato mais íntimo da partida de Yoganada para a América, é descrito por Swami Satyananda¹,  em seu livro "Yogananda Sanga":

"No dia da partida, cheio de lágrimas nos olhos, ele recebeu o adeus de seus parentes, na casa de Garpar naquela tarde, e chegou ao porto de Kidderpore. Seus amigos e parentes estavam todos lá reunidos. No horário marcado, Swamiji se despediu de nós e embarcou no navio. Continuou a falar conosco nas escadas e depois no convés. Bem nessa hora, Swami Sri Yukteswar Giri Maharaj chegou. Já não era mais permitido a ninguém subir no navio para despedidas. Entretanto, graças à ajuda do discípulo de Swamiji Maharaj, Atul Chandra Roy Mahasaya, que era o chefe dos estivadores no porto de Kidderpore, Swamiji Maharaj foi até a cabine privativa de Yoganandaji no navio e lhe deu diversos tipos de conselhos e instruções acerca da divulgação da  Kriya Yoga na América, como também de tarefas organizacionais, e abençoou seu querido discípulo para ter êxito no mundo. Tocou o apito de partida. Swamiji Maharaj desceu do navio. Yoganandaji ficou em pé silenciosamente, na lateral do convés. Lentamente, com o sol já se pondo, o navio deixou o cais e rumou em direção ao oceano. Com o coração pesaroso, todos nós voltamos para nossas casas.

Alguns dias depois, recebemos uma carta  de Yoganandaji diretamente do navio, descrevendo muitas coisas sobre a viagem. Ele foi solicitado por alguns passageiros a dar uma palestra na área social do navio. Quando foi falar, teve alguma dificuldade no início. Mas ao se recordar de seu Guru, rapidamente desenrolou o nó da língua e deu uma comovente palestra, que foi ovacionada pelos passageiros. "

1- Swami Satyananda era um grande amigo de infância de Yogananda e um discípulo avançado de Sri Yuktéswar. Durante toda sua existência apoiou os trabalhos da Yogoda Satsanga na India. Ele faleceu em 1971.

 

 

 

Fundando a Self-Realization Fellowship

Voltar Menu